Os movimentos de tradução:

A linguagem é o mais proeminente aspecto da raça humana e de sua civilização. Foi através da comunicação oral e posteriormente escrita que nossos ancestrais conseguiram passar de uma quase extinta espécie de hominídeo nas savanas africanas, reduzidas então a algumas dezenas de hominídeos, à espécie dominante do planeta.

A comunicação permitiu aos nossos antepassados transmitir saberes e atributos culturais aos seus descendentes de modo que, uma geração após a outra, uma nação após a outra, a humanidade acumulasse conhecimento através dos séculos. Por essa razão, em várias mitologias a fala e a música são considerados atributos divinos e um dos pilares da criação do mundo. Na mitologia guarani, por exemplo, Nhamandú ou Yamandú (“O Espírito Antigo”, em tradução livre) criou o universo entoando um canto, e cada palavra desse canto, era a alma de um ser humano.

Os movimentos de tradução

…Entretanto, as distâncias físicas, culturais e religiosas fizeram com que inúmeras línguas diferentes surgissem pelo planeta. Se por um lado as diferentes línguas possibilitaram uma maior diversidade de costumes, de pensamento, de opiniões e de formas de expressão artísticas, por outro ela restringiu os indivíduos ao seu próprio círculo cultural. Assim, cada cultura humana passou a empreender individualmente na árdua tarefa de desvendar os mistérios do universo e de encontrar um sentido para a vida, cada qual julgando-se mais perto da “Verdade” do que os demais…

Saiba mais sobre isso ouvindo Os movimentos de tradução.


BAIXAR VERSÃO ZIPADA

download versão zipada


AJUDE O TEMACAST A CRESCER

PARTICIPANTES

FONTES

TRANSCRIÇÃO DO ÁUDIO

Equipe de Transcrição:
Fernanda Marini – Twitter: @femarini
Karla Michelle Braga –  Facebook
Link: Em andamento

 


VITRINE

MÚSICAS DESTE EPISÓDIO

NOSSA PLAYLIST NO SPOTIFY:

Link


NOSSO GRUPO NO FACEBOOK

Se você quer participar do nosso grupo basta ir AQUI. Participando você poderá sugerir pautas, interagir com outros ouvintes do Temacast, participar de sorteios e saber com antecedência de várias coisas que ocorrerão num futuro breve.


ASSINAR

Feed | iTunes | Android | Email


Yakuza – o império do crime japonês:

Poucas organizações mafiosas são tão famosas mundo afora quanto a Yakuza. Também chamada de Bokokudan ou Gokudō, a Yakuza, cuja palavra significa “imprestável” ou “inútil” é a maior facção criminosa não apenas do Japão mas do mundo todo. No entanto, desde meados do anos 1990 tanto a polícia quanto a imprensa japonesas passaram a se referir a Yakuza genericamente como um Bōryokudan ou em português um “grupo de violência”, nome que atribuem às demais organizações criminosas japonesas estruturadas ao estilo da máfia italiana. A razão para essa mudança de nomenclatura é que, embora o termo Yakuza fosse originalmente pejorativo, ao longo do século XX a literatura e o cinema fizeram com que esse grupo de mafiosos em particular fosse visto com conotações positivas, dentro e fora do Japão. Entretanto, informalmente o termo “yakuza” ou “gyangu” (niponização de “gangster”) continua sendo empregado para se referir a bandidos ou criminosos individuais, bem como a grupos organizados e ao crime organizado japonês em geral.

Yakuza – o império do crime japonês

Seja como for, a Yakuza propriamente dita é hoje a gangue mais antiga do mundo ainda em atividade. O seu surgimento remonta ao século XVII, durante a Era Edo e ao shogunato da família Tokugawa, quando o Japão ainda era governado por uma elite de samurais. E aqui uma comparação, a máfia siciliana, de onde se originou a máfia italiana dentro e fora da Itália, surgiu apenas no século XIX, quase 200 anos depois. Devido a sua origem no dito “Japão Feudal”, os membros da Yakuza adotam rituais semelhantes aos dos samurais. Seus membros seguem um código de regras baseados na lealdade e fidelidade e possuem algumas obrigações como não esconder dinheiro do grupo, não tocar na mulher ou filhos de outro membro, não procurar a polícia e nunca desobedecer a ordem de um superior…

Saiba mais sobre isso ouvindo Yakuza – o império do crime japonês.


BAIXAR VERSÃO ZIPADA

download versão zipada


AJUDE O TEMACAST A CRESCER

PARTICIPANTES

FONTES

TRANSCRIÇÃO DO ÁUDIO

Equipe de Transcrição:
Carlos Barbosa – Linkedin
Fernanda Marini – Twitter: @femarini
Karla Michelle Braga –  Facebook
Rafael Rezende – Twitter: @KoreiaPS

Link: Em andamento

 


VITRINE

MÚSICAS DESTE EPISÓDIO
  • Dave Grusin – The Yakuza (1974)
  • Joe Hisaishi – Die Out of Memories
  • Joe Hisaishi – Magic Mushroom
  • Joe Hisaishi – Light and Darkness
  • Jerry Goldsmith – The Challenge (1982)
  • Nancy Sinatra – Bang Bang (My Baby Shot Me Down)
  • Luis Bacalov – The Grand Duel – (Parte Prima)
  • Lady Snowblood   Meiko Kaji   Shura no Hana
  • Joe Hisaishi – Be Over
  • Tomoyasu Hotei – Battle Without Honor or Humanity
  • Meiko Kaji – The Flower Of Carnage
  • Zamfir – The Lonely Shepherd

NOSSA PLAYLIST NO SPOTIFY:

Link


NOSSO GRUPO NO FACEBOOK

Se você quer participar do nosso grupo basta ir AQUI. Participando você poderá sugerir pautas, interagir com outros ouvintes do Temacast, participar de sorteios e saber com antecedência de várias coisas que ocorrerão num futuro breve.


ASSINAR

Feed | iTunes | Android | Email


As HQs no Brasil:

As histórias em quadrinhos começaram no Brasil no século XIX, adotando inicialmente um estilo satírico conhecido como cartuns, que depois se estabeleceria com as populares tiras dos jornais. Publicada a partir de 30 de janeiro 1869, “As aventuras de Nhô Quim” ou “Impressões de uma viagem à Corte”, de Angelo Agostini, é considerada a primeira história em quadrinhos brasileira. Agostini, ítalo-brasileiro radicado no Brasil desde os 16 anos, foi o quinto artista do mundo a publicar uma HQ.  Uma das grandes novidades de “As Aventuras de Nhô Quim” é que ela possuía um personagem fixo, o que não era comum na época. Elas narram as aventuras de Nhô Quim, um jovem rico do interior de Minas Gerais que se muda para a cidade do Rio de Janeiro a mando de seu pai, que não queria que ele se casasse com uma moça pobre da sua cidade natal.

As HQs no Brasil:

A história é uma caricatura dos costumes daquela época e foca principalmente no choque de civilização entre o ingênuo caipira Nhô Quim e os “incompreensíveis” habitantes da capital do Império do Brasil. Era uma sátira das diferenças de costumes de uma cidade do Rio totalmente urbana, cosmopolita e já em vias de industrialização com a realidade totalmente rural do Brasil e dos brasileiros em geral. “As Aventuras de Nhô Quim” foram publicadas originalmente na revista “Vida Fluminense”, um periódico ilustrado semanal que comentava o dia a dia da Corte, do qual Angelo Agostini chegou a ser diretor artístico antes de criar a sua hoje lendária “Revista Ilustrada”, que chegou a ser a revista de maior sucesso da Corte (com tiragem de 4 mil exemplares a cada edição).

Saiba mais sobre isso ouvindo As HQs no Brasil.


BAIXAR VERSÃO ZIPADA

download versão zipada


AJUDE O TEMACAST A CRESCER

Patreon

Apoia.se


PARTICIPANTES

FONTES

BIBLIOTECA NACIONAL

Livro do pesquisador gaúcho Athos Cardoso disponível gratuitamente

Revista Tico-Tico


TRANSCRIÇÃO DO ÁUDIO

Equipe de Transcrição:
Carlos Barbosa – Linkedin
Fernanda Marini – Twitter: @femarini
Karla Michelle Braga –  Facebook
Rafael Rezende – Twitter: @KoreiaPS

Link: Em Andamento

 


VITRINE

MÚSICAS DESTE EPISÓDIO
  • Count Basie – Jumpin’ At the Woodside
  • Woody Herman – Four Brothers
  • Duke Ellington – Ko-Ko
  • Chick Webb – Liza
  • Glenn Miller – Moonlight Serenade
  • Paul Whiteman – Changes
  • Benny Goodman – Stompin’ At the Savoy
  • Artie Shaw – Dancin’ In the Dark
  • Woody Herman – Laura
  • Tommy Dorsey – I’m Getting Sentimental Over You
  • Dizzy Gillespie – Things to Come
  • Gene Krupa – King Porter Stomp
  • Cab Calloway – Jumpin’ Jive
  • Stan Kenton – Tampico
  • Fletcher Henderson – St Louis Shuffle
  • Lionel Hampton – Flying Home
  • Tommy Dorsey – On the Sunny Side of the Street
  • Andy Kirk – Little Joe from Chicago

NOSSA PLAYLIST NO SPOTIFY:

Link


NOSSO GRUPO NO FACEBOOK

Se você quer participar do nosso grupo basta ir AQUI. Participando você poderá sugerir pautas, interagir com outros ouvintes do Temacast, participar de sorteios e saber com antecedência de várias coisas que ocorrerão num futuro breve.


ASSINAR

Feed | iTunes | Android | Email

 


A história das HQs:

As Histórias em quadrinhos recebem diferentes nomes dependendo do lugar, por exemplo: nos EUA, são chamadas de comic strips (tiras cômica). Na França, são chamadas de bandes dessinées  (bandas ou tiras desenhadas). Na Itália, são chamadas de fumetti (nome que faz referência aos balõezinhos que saem da boca das personagens). Na América hispânica, são chamadas de historietas. No Brasil, também pode ser chamada de Gibi. No Japão, mangá. Em Portugal, histórias aos quadradinhos. Gênero muito popular entre crianças, adolescentes e adultos, as histórias em quadrinhos ou HQs, já foram desprezadas e ficaram, por muito tempo, relegadas ao injusto rótulo de “subgênero”. Mas elas têm uma história e ocupam um lugar entre as manifestações culturais da humanidade como o cinema, o teatro, a literatura e etc.

A história das HQs:

E como que essa forma de arte apareceu? Bom, as HQs começaram como textos humorísticos, mas foi com a ação e a aventura que elas romperam os limites dos jornais e foram publicadas em revistas, livros, cinema, televisão, e outros meios. Alguns estudiosos, no entanto, apontam as inscrições das cavernas como a origem mais remota das HQs. O desenho é uma das linguagens mais antigas de nossos ancestrais para transmitir mensagens às futuras gerações. E eles deixaram gravadas em rochas por todo o mundo, inclusive aqui no Brasil, impressões do dia a dia, fatos que consideravam importantes, seus rituais, etc. As HQs poderiam até ser tema de samba-enredo pois no Egito Antigo, na Grécia, em Roma, no Oriente, na Europa medieval, na América pré-Colombiana, e ainda hoje, o homem continua utilizando o desenho e a pintura como formas criativas para se expressar.

Saiba mais sobre isso ouvindo A história das HQs.


BAIXAR VERSÃO ZIPADA

download versão zipada


AJUDE O TEMACAST A CRESCER

Patreon

Apoia.se


PARTICIPANTES

FONTES

TRANSCRIÇÃO DO ÁUDIO

Equipe de Transcrição:
Carlos Barbosa – Linkedin
Fernanda Marini – Twitter: @femarini
Karla Michelle Braga –  Facebook
Rafael Rezende – Twitter: @KoreiaPS

Link: Em andamento

 


VITRINE

MÚSICAS DESTE EPISÓDIO
  • Darkness
  • The Alan Parsons Project – May Be A Price To Pay
  • Buck Rogers In The 25th Century Main Theme
  • Queen – Flash
  • Superman Theme
  • The Phantom Score
  • The Batman Theme
  • Batman First Confrontation
  • Batman theme anos 60
  • Batman Begins Theme
  • Theme Captain America
  • Wonder Woman Theme
  • Hatus Quemuel – Wakanda
  • Fabio Prandoni – Lost In Fates
  • X Men Theme

NOSSA PLAYLIST NO SPOTIFY:

Link


NOSSO GRUPO NO FACEBOOK

Se você quer participar do nosso grupo basta ir AQUI. Participando você poderá sugerir pautas, interagir com outros ouvintes do Temacast, participar de sorteios e saber com antecedência de várias coisas que ocorrerão num futuro breve.


ASSINAR

Feed | iTunes | Android | Email