Fundação de Olinda e Salvador:

Curiosamente, a história de Pernambuco começa quase 2 mil quilômetros de distância mais ao sul, no Rio de Janeiro, mais precisamente na Baía de Guanabara. Como comentamos no episódio #86 sobre a Fundação de São Vicente, a primeira feitoria estabelecida no atual território brasileiro foi a Feitoria do Cabo Frio, em 1504, erguida pelo italiano Américo Vespúcio e os náufragos que ele e o líder da sua esquadra, o capitão português Gonçalo Coelho, haviam resgatado na Ilha de Fernando de Noronha. Essa feitoria não teve uma vida muito longa, tendo sido destruída pelos Tamoios que consideravam o Cabo Frio um de seus mais sagrados sítios litúrgicos.

No entanto, nessa mesma expedição, Gonçalo Coelho e Vespúcio, estabeleceram uma segunda feitoria na região, a Feitoria da Baía do Rio de Janeiro ou Feitoria da Guanabara. Esta feitoria, localizada na foz do rio Carioca, no atual bairro do Flamengo, foi erguida em 1504, e se tornou o primeiro entreposto permanente de extração de pau-Brasil na América. Naquela época, o pau-Brasil era abundante em todo o entorno da Baía de Guanabara. Contudo, os comerciantes da Feitoria do Rio de Janeiro jamais poderiam imaginar que, ao inaugurar à indústria de extração intensiva de pau-Brasil, eles estariam dando nome a todo um país e a toda uma nova civilização. Já na primeira década do século XVI, os feitores da Guanabara passaram a ser referidos como “brésiliens” pelos navegadores franceses que vinham ao Rio.

Fundação de Olinda e Salvador

O termo “brésilien” em francês daria origem aos termos “brasileño”, em espanhol, e “brasileiro”, em português. Assim, em 1510, o termo “Terre du Brésil”, ou seja “Terra do Brasil”, já havia substituído para sempre o nome “Terra de Vera Cruz” criado pelos portugueses…

Saiba mais sobre isso ouvindo Fundação de Olinda e Salvador.


BAIXAR VERSÃO ZIPADA

download versão zipada


AJUDE O TEMACAST A CRESCER

PARTICIPANTES

FONTES
  • Livro: “Cartas Jesuíticas do Brasil”, vários autores.
  • “Anais de D. João III”, Frei Luís de Sousa.
  • Livro: “História Geral do Brasil”, Francisco Varnhagen.
  • Livro: “História administrativa e econômica do Brasil”, Hélio de Alcântara Avellar.
  • Livro: “Náufragos, traficantes e degredados: as primeiras expedições ao Brasil, 1500-1531”, Eduardo Bueno.
  • Livro: “Capitães do Brasil: a saga dos primeiros colonizadores”, Eduardo Bueno.
  • Livro: “Cartas de Duarte Coelho a El Rei”, José Antonio Gonçalves Mello
  • bndigital.bn.gov.br
  • Outras fontes

TRANSCRIÇÃO DO ÁUDIO

Equipe de Transcrição:
Karla Michelle Braga –  Facebook
Fernanda Marini – Twitter: @femarini
Link: Em andamento


VITRINE

MÚSICAS DESTE EPISÓDIO

NOSSA PLAYLIST NO SPOTIFY:

Link


NOSSO GRUPO NO FACEBOOK

Se você quer participar do nosso grupo basta ir AQUI. Participando você poderá sugerir pautas, interagir com outros ouvintes do Temacast, participar de sorteios e saber com antecedência de várias coisas que ocorrerão num futuro breve.


ASSINAR

Feed | iTunes | Android | Email


Fundação de São Vicente:

A notícia do descobrimento da Ilha ou Terra de Vera Cruz por Pedro Álvares Cabral, em abril de 1500, pouco interessou ao monarca D. Manuel I, então rei de Portugal. A carta, em que D. Manuel I comunicou aos demais reis católicos o descobrimento feito por Pedro Álvares Cabral tem ao todo 8 páginas e cerca de 311 linhas, e destas apenas 3 linhas se referem à terra de Vera Cruz.

Tão insignificante foi este fato para os portugueses no início do séc. XVI, que ele sequer foi mencionado na lápide de Pedro Álvares Cabral, quando este foi sepultado por volta de 1520 numa igrejinha da cidade de Santarém, em Portugal. A única inscrição na lápide de Pedro Álvares Cabral mencionava apenas que ele havia sido casado com uma das camareiras de uma princesa portuguesa, que foi aparentemente a única distinção do navegador para os portugueses daquela época. Nesse período, conhecido como era Manuelina, Portugal, seu povo e o rei (D. Manuel) estavam completamente absorvidos pelo opulento e relativamente fácil comércio com as Índias, cujo caminho marítimo os seus perseverantes e audazes marinheiros haviam descoberto, destacando-se entre eles, o maior de todos, Vasco da Gama, o maior herói português da era das grandes navegações.

Fundação de São Vicente

…em São Vicente, Martim Afonso conheceu um misterioso náufrago português chamado João Ramalho, que veio ao seu encontro ao saber da sua presença na ilha. Pouco se sabe do passado de João Ramalho e como afinal ele veio parar no Brasil. Seja como for, ele acabou indo parar na região onde hoje está a cidade de São Paulo e ali se tornou íntimo de um dos principais líderes dos tupiniquins do vale do Tietê, Tibiriçá, morubixaba da aldeia de Piratininga, tendo inclusive casado com algumas de suas filhas, a mais conhecida entre elas, a índia Bartira.

João Ramalho era muito influente entre os indígenas dessa região podendo arregimentar cerca de 5 mil guerreiros em um único dia, todos ligados a ele por relações de parentesco (só um comentário: na cultura tupi, os guerreiros só vão à guerra para defender e vingar seus parentes, portanto, o apoio bélico de uma tribo dependia de você ser casado com uma mulher daquele grupo). João Ramalho teve uma numerosa descendência na região e por essa razão recebeu a alcunha de “pai dos paulistas”…

Saiba mais sobre isso ouvindo sobre a Fundação de São Vicente.


BAIXAR VERSÃO ZIPADA

download versão zipada


AJUDE O TEMACAST A CRESCER

PARTICIPANTES

FONTES
  • Livro: “Na Capitania de São Vicente”, Washington Luís
  • Livro: “Anais de D. João III”, Frei Luís de Sousa
  • Outras fontes

TRANSCRIÇÃO DO ÁUDIO

Equipe de Transcrição:
Fernanda Marini – Twitter: @femarini
Karla Michelle Braga –  Facebook
Link: Em andamento


VITRINE

MÚSICAS DESTE EPISÓDIO

NOSSA PLAYLIST NO SPOTIFY:

Link


NOSSO GRUPO NO FACEBOOK

Se você quer participar do nosso grupo basta ir AQUI. Participando você poderá sugerir pautas, interagir com outros ouvintes do Temacast, participar de sorteios e saber com antecedência de várias coisas que ocorrerão num futuro breve.


ASSINAR

Feed | iTunes | Android | Email