[baixar versão zipada]

– Guerra Fria – parte 2 –

O computador que você tem agora à sua frente; a Internet, rede em que este podcast foi publicado; o seu relógio digital e até a viagem do homem à Lua são, de certa forma, frutos da Guerra Fria. Tecnologias das mais variadas áreas foram influenciadas por ela.

Sem a ameaça do bloco adversário, o desenvolvimento de satélites e foguetes se daria em outro ritmo. Há quem acredite que sem a constante sombra do Kremlin, os Estados Unidos sequer se interessariam pelo desenvolvimento de foguetes. Isso porque muitos militares do alto escalão americano acreditavam que os aviões bombardeiros eram o transporte ideal da grande vedete do setor bélico: a bomba atômica. Deslumbrados pelo grande poder destrutivo da bomba, demonstrado em Hiroshima e Nagasaki, os militares concentrariam esforços, e dinheiro, no desenvolvimento de artefatos nucleares, deixando descobertos outros setores de pesquisa. Mas os avanços dos foguetes soviéticos não deixaram os EUA dormirem no ponto.

Os embates deram-se como numa partida de xadrez, em que cada movimento de um dos lados era seguido de uma resposta, quase que imediata, do oponente. O primeiro lance foi dos Estados Unidos, que já em 1946 fez um teste nuclear no Atol de Bikini, no Pacífico. A repercussão mundial levou o estilista francês Jaques Heim a batizar seu maiô de duas peças com o nome do atol. A URSS recebeu o recado e, em 1949, já testava o seu primeiro artefato nuclear.

Saiba mais sobre o assunto ouvindo este episódio e, de quebra, perceba que fazer podcast com amor pode significar estar gravando com terremotos rondando a sua casa, se você mora em Los Angeles…


PARTICIPANTES

LINKS CITADOS NO EPISÓDIO
FONTES

TRILHA SONORA DESTE EPISÓDIO

Iron Maiden   The Final Frontier
Two Step From Hell
Tema do Tetris
Beatles – Back to the URSS
Carpenters – Please, Mr. Postman
Aerosmith – Love me two times
Aerosmith – Crazy
Bee Gees – More than a woman
Bruno Mars – Show me
Bruno Mars – Locked out of heaven

  • Carlos Nani

    Estava ansioso para ouvir a segunda parte desse temacast sobre guerra fria !!!
    Agora esperando o dos Beatles ! 🙂

    • obrigado pelo comentário Carlos.
      Estamos providenciando o episódio dos Beatles.

      abraço

      • Carlos Nani

        Eu que agradeço pelo ótimo podcast !!

    • Obrigado, Carlos! Eu também estou empolgado com o episódios dos Beatles.

  • Olá Temacast

    Mais um episódio irretocável com a excelência que sempre apresenta.

    Gostaria de adicionar algumas informações de equipamentos que foram desenvolvidas na Guerra Fria e que hoje todos que praticam camping tem a agradecer.

    A barraca tipo Iglu, destas que hoje comumente é utilizada (e fabricada por chineses indiscriminadamente) oi desenvolvida pelo exercito americano para facilitar a vida dos soldados em ambientes outdoor. Pesando apenas 3 kilos, protegia os soldados de sol e chuva onde quer que estivesse, além de preservar a saúde dos soldados.

    As hastes inicialmente fabricada de plástico, foi aperfeiçoada para alumínio para suportar os ventos e ter uma durabilidade maior.

    Outra inovação também foi o GoreTex, uma espécie de membrana impermeável que permite o corpo humano “respirar”. Esta membrana é aplicada em tênis de material sintético, além de casacos e indumentária. Assim os soldados poderiam invadir lugares tropicais, como Vietnam, sem sofrer excessivamente. O projeto, entretanto, somente atingiu sua maturidade no final dos anos 80, próximo ao fim da guerra. Porém foi facilmente absorvida pelo mercado esportivo.

    O uso de casacos de Penas de Ganso, assim como os sacos de dormir, foram desenvolvidos e otimizados para que os mesmos soldados pudessem usar em lugares frios. Lugares como Sibéria, Mongólia e divisa do Alasca. O método utilizado pelos Russos consistiam também em arrancar as penas dos gansos, mas mantendo a própria vida do animal. Para assim diminuir o ciclo de penas dos gansos, nao sendo necessário esperar o animal tornar-se adulto.

    Uma outra tecnologia foram as lentes poralizadas de óculos escuros, filtrando assim alguns raios nocivos ao olho humano. Hoje são utilizadas em óculos de sky e de alpinistas. A lente foi desenvolvida para não cegar os Astronautas, além de proteger os olhos dos pilotos.

    Um forte abraço e parabéns novamente pelo trabalho.

    Luciano

    • Olha aí, agora sabemos seu nome. 🙂

      Muito obrigado por seu comentário e pelas informações adicionais. Temos os melhores ouvintes, com certeza!

      • Oi Igor…. Na leitura de E-mail vi que meu nome não tinha colocado ainda,.. Somente saia do site que administro.

        Daqui pra frente eu coloco o nome para ficar menos impessoal.

        Abs

        Luciano

    • Mas, não é que quanto mais se fuça, mais se descobre coisas que nasceram da guerra fria? Bom, como dissemos no episódio há uma infinidade destas “invenções”, mas é bem legal saber através de nossos ouvintes outras informações que não passamos por não haver espaço no cast ou simplesmente por não termos conhecimento mesmo!

      Grande abraço e obrigado pelo comentário blogdes… erh, quer dizer, Luciano!!!

      🙂

  • Não ouvi e não gostei, hahaha, mentira, to ouvindo, depois eu volto!

    Abraço nas crianças!

    • Leozito, Leozito…
      🙂

      • Agora posso dizer que ouvi sim e gostei muito.
        Ótimo programa, deveria ser apresentado a todos os estudantes para entender melhor os acontecimentos da época.

        Estou jogando um jogo (na verdade já terminei), DeadLight, que se passa em 1986, se trata de um apocalipse zumbi e diz que o episódio de Chernobyl foi causado por uma guerra entre EUA x URSS devido ao próprio apocalipse zumbi, estava jogando bem após ouvir o TemaCast e foi impossível não relacionar os assuntos.

        Grande episódio galera, continuem o ótimo trabalho sempre, Abraço!

        • Brigadão Léo!
          Ah! Tem gente pedindo carteirinha do IPSTC!! Como é que fica?
          🙂
          abração

  • Nerdanderthal

    Episódio muito bom, como sempre.
    Realmente muito avanço tecnológico e científicos surgiu devido à Guerra Fria, principalmente pela corrida espacial.
    Infelizmente esse avanço se viu presente também no mundo do armamento e técnicas de espionagem, assunto que não foi comentado, certamente por falta de tempo, bem como nos alimentos desidratados e pílulas vitamínicas.

    Gostaria de fazer um comentário muito pertinente sobre a chamada Aloha Net que surgiu no Havaí, conforme vocês falaram. Se ela tivesse se desenvolvido mais que as outras, hoje certamente não estaríamos NAVEGANDO pela Internet, estaríamos SURFANDO !!!
    Péssima essa, não?
    Eheheh…

    Abraço a todos.

    OBS: O pastor Léo Bruski está arrebanhando ouvintes para a IPSTC ( Igreja Podcastal Seguidores do Tema Cast). Vai ficar rico!!!

    • Eaê Nerdanderthal? tudo bem?
      Então, são tantas coisas para se falar sobre o tema que invariavelmente sempre ficará algo de fora. Ou pq não havia tempo ou então porque não entrou na pauta mesmo, ou seja, orelhada!
      Mas, de qualquer maneira acho que fizemos uma abordagem bem interessante sobre as tecnologias advindas da Guerra Fria.

      IPSTC? ahahahahaha! achei ótimo! hahahahahaha! Esse Leozito! Disse que não ouviu e não gostou esse praga… pode?

      abraço e obrigado pela participação.

  • Diego T.

    Bom dia, boa tarde e boa noite a todos. Muito bom o episódio, gostaria de acrescentar algumas informações sobre a corrida espacial:

    A URSS chegou primeiro em todas as pequenas disputas da corrida espacial, tendo perdido apenas a chegada na lua como foi retratado no episódio, porém ficou faltando que a primeira mulher, e que o único país a conseguir enviar uma sonda com relativo sucesso para a superfície Vênus foi a URSS, visto que o forte deles era a mecânica pesada e o improviso capaz de realizar muito com pouco, afinal, para quê tela touth e controles remotos na espaçonave se poderiam utilizar uma vareta para apertar um botão 🙂 Senti também muita falta de falarem das estações espaciais Salyut 1, Skylab e MIR (que significa paz em russo).

    Só mais 5 centavos sobre corrida espacial. Algum tempo após a queda da URSS foram divulgados na imprensa internacional diversos fracassos de lançamentos espaciais e material mostrando que diversos misseis nas paradas de 1º de abril eram falsos. Estes fracassos espaciais apenas mostram que as duas potências tiveram diversos percalços ao longo da corrida espacial, o que de certa forma diminui as chances de haverem diversas tentativas fracassadas de levar o homem ao espaço, afinal nenhum dos 2 lados queria passar pelo vexame de ter associada a corrida espacial uma morte, que se ocorresse já haveria grande probabilidade de que o ocidente já soubesse.

    Outro aspecto foi o Tetris, recomendo este artigo denso e detalhado sobre a história deste jogo mais matemático que computacional.
    http://meiobit.com/289280/tetris-30-anos-uma-historia-de-roubos-trapacas-e-muito-mais/

    No mais foi um episódio muito bom e bem embasado, mas que ainda persiste um certo tendência em se apenas falar bem de um dos lados. Parabéns pelo episódio e até o próximo Temacast 🙂

    • Valeu Diego.
      Obrigado pela visita, comentário e informações adicionais!

      abraço

    • Naelton Araujo

      Ola Temacasters, curti demais essa descoberta de podcast. Gostaria de colocar um ponto: concordo plenamente com o Diego no seu comentário acima: a URSS realmente foi muito bem na pesquisa espacial…ficou parecendo q os americanos fizeram muito melhor só porque levaram o primeiro homem a Lua. Os soviéticos chegaram primeiro a lua com sondas automáticas de sucesso chegando a trazer amostras automaticamente e colocar dois rovers na sua superfície (os primeiros rovers da história).
      Alguém comparou os foguetes russos com aviões teco-teco… de forma alguma: a família de foguetes que começou com o R7 (q pôs o Sputnik 1 em órbita), ganhou mais um estágio e pôs o primeiro astronauta em órbita (q não disse a frase “a Terra é azul”) e mais tarde (até hoje) mantém um fluxo contínuo de astronautas (cosmonauta é a mesma coisa) a ISS. O índice de sucesso destes foguetes é de 95% em 1670 lançamentos entre 1957 e 2002 (agora o este número já deve ter passado dos 2000). As Salyuts (foram 7) e a MIr foram as “avós” da ISS que é predominantemente produto da astronáutica soviética. A história do Skylab foi uma coleção de erros lamentáveis.
      Houve umas caneladas aqui e ali sobre o tema Corrida Espacial (meu preferido, sou astrônomo e leciono Introdução a Astronáutica no Planetário do Rio) mas no geral curti muito. Exemplo de caneladas: o Sputnik 1 não levava câmera fotográfica.
      Já baixei um monte de episódios … já devorei dois… continuem trazendo assuntos tão relevantes. uma abraço.

      • Naelton, obrigado pela visita e pelas observações sobre o tema abordado. Esperamos poder contar contigo para enriquecer os episódios do Temacast, que aliás, não têm a pretensão de serem absolutos mas, de provocarem mais e mais reflexões.
        grande abraço

        • Naelton Araujo

          Claro q entendo o papel reflexivo do podcast e vcs atingem totalmente o objetivo. Assisti Barão de Mauá, Canudos e Revolução Constitucionalista, muito bons mesmo. Fiquei conhecendo muito coisa nova e já comecei a indicá-los. Conheci vcs pelo SciCast (onde participei de tres episodios). Aproveito para sugerir algumas pautas que me parecem que combinam com a pegada de vocês: a História dos Submarinos, História dos Bandeirantes, Biografia de Santos Dumont e A Reserva de Mercado da Informática. Sou treker de carteirinha: seria muito pedir algo pra comemorar os 50 anos de Jornada nas Estrelas? 🙂 um abração. Ganharam um ouvinte fiel.

          • Suas sugestões foram anotadas, menos duas porque já estavam na nossalista de pautas futuras 🙂
            Obrigado novamente e um grande abraço

  • Olá Francisco e Igor, tudo bem?

    O segundo episódio sobre a guerra fria ficou ótimo, como já era esperado.

    Se tentar falar sobre tudo o que aconteceu e todos os avanços tecnológicos da época, vocês teriam que produzir uns vinte episódios ou mais.

    Eu que iniciei minha vida ouvindo fitas K7 e hoje ouço música em memória flash sei bem como as mudanças tecnológicas nos beneficiaram e também como elas nos deixaram “sem tempo”.

    No episódio dos Beatles, se possível, inclua músicas deles com outros interpretes, como Help com a Tina Turner, pois acredito que irá causar um certo impacto naqueles que estão esperando um podcast obvio.

    Estou esperando minha carteirinha da IPSTC.

    Grande abraço
    Gilberto

    • Grande Gilberto!!!
      Obrigado pelo retorno e pelas sugestões… quanto a carteirinha do IPSTC vamos ter que apertar o Léo Bruski que começou esta história e agora está se fazendo de louco! hahahaha
      Grande abraço!

  • Olá!

    Excelente este episódio – manteve a qualidade da primeira parte.
    Períodos de guerra costumam trazer muitos avanços tecnológicos mesmo, e nem sempre estes avanços servem apenas aos esforços de guerra; ainda assim, é impressionante notar como os avanços durante a Guerra Fria moldaram o que seria o estilo de vida atual.
    Não dá para dizer que as guerras, portanto, são um mal que vêm para o bem (afinal, acho que da guerra se tira tanto mal que nada pode justificar), mas aí fica a reflexão: que outra motivação tão forte assim o ser humano tem para querer progredir?

    Obrigado pelas valiosas informações e um grande abraço a todos!

    • É Fabrício, parece que as guerras sempre foram, são e serão presentes na história da humanidade. Sendo elas inerentes ao ser humano que pelo menos produzam algo que nos favoreça nos tempos de paz!

      Obrigado pela visita e pelo comentário!

      abraço

  • Meu Caro Francisco…

    Longe de mim querer cornetar e ser antipático. Masssssss….. Não seria hoje dia 30/03 um dia para o seu ótimo programa ser publicado no site?

    Cheguei “seco” para escutar, e me deparei com a não publicação dele.

    Espero que publique em breve.

    Abs

    Luciano

    • Olá Luciano!
      Os dias de publicação do Temacast, por enquanto, são 1 e 15 de cada mês. Uma exceção foi em dezembro que publicamos no dia 30 por motivos óbvios (dia 1 de janeiro o pessoal estaria em outra vibe, hehe)
      Mas, não se preocupe, recebemos este comentário como um legítimo elogio!
      Obrigado por vir e expor tua dúvida…
      Dia 1º de abril, novo episódio no ar (e não é mentira!)

      abraço

      • aeee Francisco levando puxãozinho de orelha hahahaa

        #priceless

        • Claro que NÃO bobão! o Temacast tem dias certos para a publicação e o Luciano só se confundiu… tudo explicado!

          abraço pra ti Leozito!

  • Fernanda Souza

    Outro fantástico episódio.

    Vocês foram um ótimo complemento de aula. No colégio foi dado a guerra fria rapidamente, e vocês me ajudaram a entender e compreender mais sobre esse momento.

    • Olá Fernanda!!!!
      Que legal o teu comentário…
      Ficamos muito contentes em saber que acrescentamos mais informação a tua vida!!!
      Grato por vir nos contar e, assim, participar também do Temacast!

      abraço

  • Gabriel Praia Fiuza

    Olá, me chamo Gabriel Praia, tenho 36 anos, sou empresário e a 10 radicado no sul da Florida.
    Gostei muito, muito mesmo. O Temacast está me suprindo uma enorme carência de conteúdo de qualidade, eu gosto muito do #SciCast, mas ainda esperava por algo mas voltado para história. Eu moro em Palm Beach na Florida e não curto muito os podcasts daqui, não gosto do formato, acho lento e tem um tom sério demais. Espero pelo terceiro episódio, agora pelo renascimento da Guerra Fria.
    Muito obrigado, me tornei um ouvinte fiel!
    Abraços a todos!
    Gabriel Praia

  • Bruno

    Grata surpresa o Temacast. Show os podcasts sobre a Guerra Fria. Parabéns e continuem nos brindando com ótimas discussões.

  • Vitor Urubatan

    Terminei de ouvir a segunda parte aqui e posso dizer que programa excelente!
    TemaCast já está no TOP 5 dos podcasts que gosto.

    Mais uma vez obrigado pelo excelente trabalho.
    E bora para o próximo.

    • Obrigado você por estar sempre dando retorno comentando.

      abraço

TemaCast © 2014-2017
Scroll Up