[baixar versão zipada]

– Barão do Rio Branco –

José Maria da Silva Paranhos Júnior, barão do Rio Branco, foi professor, político, jornalista, diplomata, historiador, advogado e biógrafo. Nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 20 de abril de 1845, e faleceu na mesma cidade, em 10 de fevereiro de 1912.
Rio Branco era filho de José Maria da Silva Paranhos, o visconde do Rio Branco. Cursou o Colégio Pedro II, a Faculdade de Direito de São Paulo, depois a de Recife. Bacharel em 1866, viajou pela Europa e, na volta, regeu a cadeira de Corografia  e História do Brasil no Imperial Colégio. É isso mesmo, eu falei Corografia que é o estudo da descrição particular de uma nação ou de uma área geográfica.
Em 1869, foi nomeado promotor público de Nova Friburgo. No mesmo ano acompanhou, como secretário da Missão Especial, o visconde do Rio Branco (seu pai) ao rio da Prata e ao Paraguai. No mesmo caráter se manteve, em 1870 e 1871, nas negociações de paz entre os membros da Tríplice Aliança e o Paraguai. Regressando ao Rio, dedicou-se ao jornalismo. Foi dirigir o jornal A Nação, juntamente com Gusmão Lobo. Em maio de 1876, Rio Branco deixava o jornalismo para aceitar o cargo de cônsul-geral do Brasil em Liverpool.
Em 1884, integrou a comissão de delegado à Exposição Internacional de São Petersburgo e, depois de proclamada a República, foi nomeado, em 1891, em substituição do conselheiro Antonio Prado, superintendente geral na Europa da emigração para o Brasil, cargo que exerceu até 1893…

Saiba mais sobre isso ouvindo este episódio…


PARTICIPANTES

VEJA MAIS
FONTES

IMAGENS

questão de Palmas

questão do Pirara

questão do Amapá

Tratado de Petrópolis - Acre


MÚSICAS DESTE EPISÓDIO

■ Dobrado Barão do Rio Branco

■ Carlos gomes – Alvorada


CHIQUINHA GONZAGA Coleção Folhas Raizes da MPB Vol 18

■ Não insistas rapariga

■ Atraente

■ Lua branca

■ Corta-jaca

■ Yara

■ Day-break ainda não morreu

■ Plangente

■ Sonhando

■ Biónne

■ Em guarda!

■ Dança brasileira

■ Amapá

■ Lo t’amo

■ Laurita

■ Sultana


■ Louis Moreau Gottschalk – Marcha Solene Brasileira

■ Steve howe – Bachianas Brasileiras no5 (aria)

■ Yes – The Gates of Delirium (parcial)


NOSSO GRUPO NO FACEBOOK

Se você quer participar do nosso grupo basta ir em https://www.facebook.com/groups/temacast.saibamais/. Participando você poderá sugerir pautas, interagir com outros ouvintes do Temacast e saber com antecedência de várias coisas que ocorrerão num futuro breve.


  • Olá Francisco / Igor

    Mais um episódio da série “Grandes Personagens da História” promovido pelo Temacast.

    Desta vez vou assumir, não conhecia muito do Barão do Rio Branco. Apenas que ele aparecia em uma das notas que usava quando criança.

    Acredito que não foi citado como homenagem a ele (e se foi desculpe) que Rio Branco, a capital do Acre, deve ter sido também em homenagem a ele.

    Um tilmeline irrepreensível da parte da história do Brasil delimitada por vocês, e deixou muito mais vontade de escutar os Temacast de Guerra do Paraguai, Estado Novo, República Café com Leite e, se possível sobre as diversas moedas que o Brazil teve.

    Um forte abraço

    Luciano,

    PS.: Não sei se cabe aqui, mas…… FIRST!!!

    • Olá Luciano!
      Realmente não citamos a capital do Acre… talvez tenha sido um gatilho anti mimimi inconsciente da nossa parte já que está na “moda” dizer que o Acre não existe! ahahaha! Acho que foi comida de bola mesmo, mas ainda bem que os ouvintes atentos como vc estão por aí, para complementar o conteúdo do programa.
      Quanto aos temas sugeridos, aguarde… já tem pauta pronta e gravação agendada de um desses temas que citou!

      grande abraço FIRST!

    • Obrigado pelo comentário Luciano. Realmente o nome da capital do Acre é sim em homenagem ao querido Barão e esquecemos de citar,

  • Cláudio Alves

    Francisco e Igor, boa tarde.

    Que contribuição maravilhosa vocês estão dando ao mundo dos “podcasts” com os seus temas. Espero que continuem sempre animados e com temas surpreendentes.

    Gostaria de sempre participar dos comentários, mas entre outras dificuldades a pregui… é a principal. Entre todos os podcasts longos, eu só consigo ouvir até o fim o temacast e o na porteira. Os outros são CBN, Jovem Pan e o Luciano Pires.

    Sou um grande fã de vocês e sempre que preciso, reforço meus argumentos com o que aprendo com vocês.

    A minha mãe adorou os parabéns do dias 15 de abril, eu também fiquei muito feliz, pois vocês superaram e muito as minhas espectativas.

    Um grande abraço

    tudo de bom pra vcs.

    • Oi Cláudio, obrigado por seu comentário. Que bom que está gostando. Um grande abraço para você e para a sua mãe!

    • Cláudio!!!!
      Que legal saber que está por aí!!! Fizemos uma homenagem de coração para a D. Ana e espero que tenha sido bem legal pra ela e para você!
      Obrigado a você por vir aqui nos visitar e dar retorno sobre o trabalho que fazemos de coração!

      abração

  • João Bruno de Deus

    Olá pessoal do Temacast, sou ouvinte assíduo de podcasts já fazem alguns anos e assim como muitos ouvintes nunca comento qualquer um deles, talvez essa seja uma falha minha pois acabo não contribuindo positivamente com pessoas como vocês criadores de conteúdo de qualidade. Para vocês entenderem um pouco do motivo pelo qual nunca escrevi até então… é que é muito difícil compreender que nesse universo gigante da web/podosfera o meu comentário fará alguma/qualquer diferença ou que através de um post como este vocês possam aceitar alguma sugestão, assimilar alguma crítica construtiva ou somente receber de braços abertos um simples parabéns… E depois de ouvir alguns dos episódios do Temacasts me senti incomodado comigo mesmo por nunca ter deixado qualquer mensagem, nem ao menos de parabéns pelo belíssimo trabalho e é exatamente isso que gostaria de fazer nesse momento… Gostaria muito de parabenizá-los pelo ótimo trabalho… tanto pelo conteúdo, da qualidade do áudio, trilhas sonoras (no volume correto e músicas boas), comentários coerentes, tempo de cast adequado, por não ter uma narrativa cansativa ou maçante, sem acelerar, sem risadas desnecessárias ou em momentos inoportunos, sem quebra da linha de raciocínio ou troca de ideias de forma abrupta, além de tudo isso ter um host como o Francisco que tem a voz clara, calma e dicção admirável imprescindível para um podcast de qualidade e o Igor com todo conhecimento e conteúdo que contribui sempre muito para fluir bem o programa. Bem… é isso aí… parabéns a todos os envolvidos principais e participantes de todos os outros episódios do Temacast.

    Grande abraço e sucesso

    • Oi João,

      Que bacana que vc então decidiu escrever este comentário. É muito bom saber que estamos ajudando nossos ouvintes de alguma forma, mesmo que seja apenas proporcionando um bom entretenimento e, de quebra, levando um pouco de conhecimento.

      Um grande abraço para você!!

    • João, obrigado pelos elogios, mas parabéns para você que resolveu quebrar essa barreira e dizer algo…. pode apostar que um comentário é sempre muito bom de ser recebido pelo lado de cá. Se for uma crítica receberemos igual e se for um elogio melhor ainda… nos dá um termômetro de onde estamos indo e para onde devemos ir…
      muito grato pelo comentário!

      grande abraço

  • Marco Lacerda

    Bom dia meus Caros!

    Acabei de ouvir o Temacast e como sempre excelente!

    Notei uma pequena “canelada” quando comentaram sobre o processo de beneficiamento do Látex. Pode ser preciosismo, mas o nome do processo inventado pelo Goodyear não é Galvanização e sim Vulcanização.

    Parabéns novamente.

    Abraços.

    • É verdade, confundi os termos mesmo. Obrigado pelo comentário! 🙂

      • Priscila Guerrero

        Hehehe Galvanização é para metais, se não me falha a memória.

      • Roberto Henrique Wolter

        Igor, e o uso da bicicleta também contribuiu muito para o aumento das exportações da borracha. Parabéns pelo excelente programa. 😀

  • Cesar Moreira de Sousa

    Tenho essa relíquia desde a adolescência e é um dos livros que mais me chocaram naquela época e choca até hoje: “Genocídio Americano: A Guerra do Paraguai”, de Julio José Chiavenatto (detalhe: naquela época eu nem me atentava ainda para nomes de autor, mas esse nome eu não esqueci jamais). Não reparem, estou ouvindo o cast agora, mas queria aproveitar pra ressaltar o que o Igor disse: a guerra do Paraguai merece sim um episódio a parte, e estou ansioso!

    Ouvindo o cast agora! Abraços

    • Então Cesar, A Guera do Paraguai está na nossa lista de episódios a serem gravados…
      Vai ser muito legal e trabalhoso de ser feito

      aguarde!

    • A Guerra do Paraguai é um dos mais vergonhosos episódios da história do Brasil. Infelizmente fizemos aquilo.

  • Priscila Guerrero

    Episódio muito bacana, pessoal! Outro dia eu tinha visto um documentário sobre este Barão no Now da net (sem propagandas, mas tem umas coisas boas lá no acervo do canal Globo Sat.). O Temacast foi bem ilustrativo e que grande político, hein? Será que ainda temos algum desse tipo no país? Deve estar escondido, coitado. Enfim, só uma observação: Igor, meu sobrenome não tem ‘i’. É GuerrERo, porque minha família vem da Espanha. Sempre que você pronuncia GuerreIro, nos joga para Portugal! rsrs Forte abraço a todos!

    • Valeu Priss!
      Sei lá se ainda há espaço para pessoas como o Paranhos… que existem vários dele por aí não tenho dúvida, mas….

      abração!

    • Hiii, Pri, foi mal. A partir de agora vou tirar o “i” do seu sobrenome. Devo ter achado esse i no mesmo lugar que os cariocas acham o i em “nascimento”.

      • Priscila Guerrero

        Ahahahah ok.

  • Gostei muito do episódio, vocês estão contribuindo para conhecermos mais e mais dos grandes brasileiros. Infelizmente nossas história não é bem ensinada (e aprendida) nas escolas.
    Dúvida, pessoas como o Barão do Rio Branco e Barão de Mauá eram reconhecido como importantes para a pulação em geral? Embora vocês disseram que o Barão do Rio Branco era aplaudido, um brasileiro comum Davis de seus feitos tão importante?
    Pergunto isto pois como vocês falaram no episódio sobre o Lampião, quanto mais tempo passa, o que fica no conhecimento popular são as coisas boas (exceto Hitler, hehe).
    Imagino (ou quero acreditar) que daqui há cem anos, brasileiros falem de alguns contemporâneos nossos que foram muito importante para o país, e particularmente gostaria de ter chance de conhecer estas pessoas.

    • Bruno,

      O Barão de Mauá não era tão popular em sua época devido a uma campanha vergonhosa que o governo fez para o desmoralizar. Já o Barão do Rio Branco era sim bem popular, todos gostavam dele. Foi um raro caso de unanimidade.

      Sobre brasileiros de nosso tempo que nu futuro serão reconhecidos como herois nacionais, não sei te dizer. É difícil julgar a obra de uma pessoa quando ela ainda está viva, pois em algum momento ela pode fazer uma grande bobagem e comprometer tudo o que fez antes.

  • Mais uma verdadeira aula de História! Ansioso pelo episódio sobre a Guerra do Paraguai. Grande abraço.

  • Lucas Hemetério Oliveira

    Muito bom o cast, o temacast vem melhorando cada vez mais, sou fascinado por casts históricos… fico no aguardo de outros com temas históricos…

  • Cliff Rodrigo Silva

    Mais um grande episódio do Temacast! Francisco, Igor, vocês estão fazendo um serviço de utilidade pública pois, como mencionado, o Brasileiro tem memória curta. Não sou afeito ao estudo das “grandes personalidades”, prefiro partir da história que é construída pelo povo mais simples, esquecido pelos livros de história. Contudo, é importante lembrar desses “grandes homens”, pois o Brasil foi construído da luta de pessoas assim. No caso de Rio Branco, a lembrança é merecida pois, como abordado, numa época em que a diplomacia era feita á bala, ele buscava sempre a paz. E pessoas que buscam a paz devem sempre ser lembradas. E foi muito interessante vê-lo como “herói nacional”, nunca parei para observa-lo por essa ótica, que faz pleno sentido. Abraços! Muito bom o episódio!

    • Valeu pelo comentário Cliff. Grande reflexão feita aí.

      abração!

    • Obrigado Cliff. Muito bom ter você como ouvinte e melhor ainda quando participa conosco.

  • Wilson Brancaglioni

    O que dizer desse programa? É fantástico, afinal, nunca aprendi tanto de história do Brasil quanto agora. E saber que o nosso país teve grandes homens e que nunca tinha ouvido com tanto detalhe, é reconhecer que nossa educação está longe de ser simplesmente educação. Recomendo a todos os amigos sobre o programa, afinal, coisa boa deve ser propagada. Nunca pensei que um brasileiro fosse protagonista na diplomacia e pensasse tanto em Brasil como Rio Branco. Estou ansioso pelo programa falando sobre a Guerra do Paraguai. Abraço a todos.

    Wilson Brancaglioni
    http://www.estantedowilson.com.br

    • Obrigado Wilson!
      O episódio sobre a Guerra do Paraguai está no forno… aguarde!

      abraço

    • Obrigado Wilson! Algo me diz que você vai gostar também dos próximos episódios que vamos lançar.

  • Thiago Meller

    Parabéns, pelo trabalho, Igor e Francisco, mas se incomodam se eu apontar duas pequenas falhas (a meu ver)? Quando falaram do ciclo da borracha, mencionaram que o Charles Goodyear inventou o “método de galvanização da borracha”. Na verdade a técnica de processamento utilizada foi chamada de vulcanização. E lá no fim, falou-se que o Instituto Rio Branco é “a mais conceituada faculdade de formação de diplomatas do Brasil”. Na verdade, o IRB é um órgão do Ministério das Relações Exteriores responsável pelo concurso de admissão à carreira de diplomata, que inclui justamente um período de curso de formação, mas não é uma faculdade

    • Thiago,
      Obrigado pelo comentário.
      Qto ao engano “galvanização” nós já apontamos na leitura de emails do episódio seguinte e tem vários comentários abaixo de outros ouvintes citando isso.
      Qto ao IRB, vou deixar o Igor falar, pois foi ele que citou.

      abraço

    • Sobre o IRB, você está certo. Ele é uma Escola, mas não uma Faculdade. Enganei-me na terminologia. De todo modo, é a melhor Escola de diplomacia do Brasil.

  • Paulo Fernando

    Povo brasileiro de memória curtíssima …lembro-me do Raul Seixas no seu icônico encontro com John Lennon, conversando sobre as grandes figuras da humanidade como: Cristo, Einstein, Calígula, Crowley…”. Raul contou ainda que Lennon pede que ele cite um braseileiro ilustre, na hora deu um branco e raul só conseguiu lembrar do café filho. Sim, teria opções mais ilustres de brasileiros com projeção internacional que ao meu ver estão a altura dos barões apresentados aqui no tema cast. o nosso Santos Dumont. Daria um belo programa.

    • Ola Paulo,
      obrigado pelo comentário e pela sugestão de pauta!
      abraço

  • Moura Zé

    Olá, pessoal.

    Hesitei um pouco em ouvir esse cast sobre uma figura que só lembro por causa das notas de cruzeiros e da rua movimentada no centro de Fortaleza que leva o seu nome, mas tive uma grata surpresa por constatar a importância histórica do Barão do Rio Branco e pela forma muito interessante como foi apresentado. Parabéns, pessoal.

    Teoria da conspiração: Teriam os Beatles um bisavô em comum e… brasileiro?

  • Rodrigo Ribeiro

    Tem uma cidade na região metropolitana de Curitiba com o nome dele: Rio Branco do Sul.

TemaCast © 2014-2017
Scroll Up