Serviço Secreto Brasileiro 2/3:

A Princípio os militares tomaram o poder com uma ideia em mente: moralizar o país. Neste episódio Serviço Secreto Brasileiro 2/3 vamos ver que na orientação positivista da caserna, o país estava doente e deveria ser curado de seus males, que eram a corrupção e a subversão. Na cabeça dos militares, uma vez tomado o poder no país a cura seria simples de se implantar. Bastaria identificar os corruptos e os subversivos, cassar-lhes os direitos políticos e colocá-los na prisão. Alguns mais afoitos defendiam até mesmo que esses “maus cidadãos” deveriam ser também torturados ou mesmo mortos para servir de exemplo.

E os corruptos – o maior e mais organizado sindicato do Brasil – não pretendia virar alvo dos “milicos” e tratou de agir rapidamente logo que a Presidência da República foi declarada vaga, tendo sido os primeiros a compor o novo governo (como diria o capitão Nascimento, “o sistema é foda”). Os militares perceberam logo nos primeiros dias de governo que uma confrontação direta dos corruptos em tantas áreas e instâncias do governo e da sociedade civil colocaria em risco a “revolução” recém-iniciada – não haveria sequer dinheiro pra tocar o governo se prendessem todos os empresários corruptos e preferiu fazer vista grossa desde que eles colaborassem com o novo regime. Assim, sobrou para os militares contentar-se em perseguir o segundo mal que assolava o país que eram os “subversivos”. Mas, quem eram os “subversivos”? Bom, na visão singela dos militares todo e qualquer um que se opusesse “a revolução de 64”.

Quem era contra o novo regime era contra a pátria, e vice-versa. Dessa maneira, de modo a identificar esses tais subversivos era preciso fortalecer o serviço secreto e a Doutrina de Segurança Nacional…

Saiba mais sobre isso ouvindo Serviço Secreto Brasileiro 2/3.


BAIXAR VERSÃO ZIPADA

download versão zipada


PARTICIPANTES

FONTES
  • Livro “O Ministério do Silêncio”, de Lucas Figueiredo
  • Artigo “De FHC a Lula: a militarização da Agência Brasileira de Inteligência”, de Jorge Zaverucha
  • Outras fontes

VITRINE

MÚSICAS DESTE EPISÓDIO
  • Jair Rodrigues – Disparada
  • Edu Lobo e Marília Medalha – Ponteio
  • Chico Buarque – A Banda
  • Chico Buarque – A Rita
  • Chico Buarque – Quem Te Viu, Quem Te Vê
  • Chico Buarque – Roda viva
  • Chico Buarque – Nicanor
  • Chico Buarque – Pois é
  • Secos e Molhados – Sangue Latino
  • Secos e Molhados – O Patrão Nosso De Cada Dia
  • Gonzaguinha – Comportamento Geral
  • Gonzaguinha – Vamos à Luta
  • Gonzaguinha – Recado
  • Gonzaguinha – É Preciso
  • Gonzaguinha – Pequena Memória Para Um Tempo Sem Memória
  • Gonzaguinha – Sangrando
  • Gilberto Gil – Geleia Geral
  • Chico Buarque – Bom Conselho
  • Elis Regina – Como nossos pais
  • Elis Regina – O Bêbado e a Equilibrista
  • Chico Buarque – Meu Caro Amigo
  • Chico Buarque e Milton Nascimento – Cálice
  • Chico Buarque – Pelas Tabelas
  • Chico Buarque – Vai Passar
  • Chico Buarque – Hino Da Repressão
  • Djavan – Sabe Você
  • Alceu Valença – Coração Bobo
  • Simone – Tô Voltando

NOSSA PLAYLIST NO SPOTIFY:

Link


NOSSO GRUPO NO FACEBOOK

Se você quer participar do nosso grupo basta ir AQUI. Participando você poderá sugerir pautas, interagir com outros ouvintes do Temacast, participar de sorteios e saber com antecedência de várias coisas que ocorrerão num futuro breve.

  • laurentiis

    MP3 já baixado! Valeu pessoal, obrigado pela qualidade e seriedade q vcs tratam os assuntos!

  • Paulo Fernando

    Ai vou eu, mais um passageiro nessa nave preparado para as descobertas, surpresas e decepções com esse capítulo “desonroso” da nossa história.

  • Petrus Augusto

    Outro excelente cast!! Adoro quando vocês falam sobre esse período nefasto!! Esfrega na cara dos idiotas que todo esse papo de ‘santificação dos militares’ é fantasia na mente estupida da pessoa!!

    PS: Mals a agressividade, mas, eu, como libertário (de verdade, raiz… E não os ‘Nutella’) me dá asco em saber que um nação inteira é composto por imbecis que estão dispostos a abrir mão da liberdade para ter um carro (pé de boi por sinal) melhor na garagem.

    • Valeu pela visita e comentário Petrus.
      Nós procuramos levar os fatos do passado da nossa história para que possamos entender o presentee e não repetir os mesmos erros no futuro!

      abraço

  • Gleuton Dutra

    Passando pra dizer que: – não tenho nada a ver com esse “Dutra” citado nessa serie. “brigado, denada”.

  • Darley Santos

    Camaradas, tenso esse racha dentro do exército entre os moderados e os “recrudescidos” hein?! Que história essa dos documentos acerca do SFICI – baita ato de caridade huh… Lembrei do verso daquela música do Raul Seixas, “três homens fumando junto pode ser muito arriscado”. Essa estratégia de compartimentalização da informação também é usada por sociedades secretas como a Maçonaria – uma superestrutura de níveis onde quem tá embaixo não tem a mínima ideia do que acontece em cima. A quantidade de inocentes que sofreram com isso é terrível, “ditabranda” é uma expressão que pode passar uma ideia bem errada do que foi a ditadura. Dizem que toda ditadura é burra, e é realmente o que podemos pensar quando vemos os casos de censura e as versões esfarrapadas das mortes, como essa do suicídio com a meia, putz… O complexo do SNI e sua disparidade com a realidade do povão brasileiro é tão Brasília… Parabéns pelo levantamento das informações e por apresentar de forma tão fluida e acessível para leigos, muito bom!

    • Jorge Virgilio

      Oi, Darley. Obrigado pela mensagem. Ficamos felizes que tenha gostado. É sempre complicado sintetizar um período tão extenso e conturbado da história do Brasil como esse da Ditadura Militar (ainda que seja para falar de apenas um de seus braços). Forte abraço e continue nos acompanhando!

  • Edson Correa

    Amigos de caminhada, porque ouço-os durante as minhas caminhadas. Sou representante comercial, 54 anos, da cidade de Votorantim, interior de SP (acredito que um dia vocês irão gravar na memória essas informações). Estou pasmo, como a desonestidade, corrupção, o poder acima de tudo e de todos está enraizado em nossa cultura. Parabéns pelo trabalho detalhado e a maneira como foi exposta. Tenho a esperança e a certeza que a maioria de nosso povo não é assim, através desses crápulas, os inocentes são ignorantes, no tocante de não terem a oportunidade de uma educação adequada, mas no seu interior, a grande maioria de nosso povo, são pessoas boas. A minha tristeza é ver a herança cultural em nosso governo, em qualquer esfera temos graves problemas de postura ética e moral. Então, fico impaciente esperando o terceiro episódio. Parabéns Francisco Seixas, Igor Alcântara e o mestre dos paranauês da engenharia elétrica, Jorge Virgilio. Vida longa ao Temacast.

    • Jorge Virgilio

      Grande Edson, obrigado pela mensagem e elogios, e principalmente pela parte que me toca. Compartilho de sua convicção de que os brasileiros em geral são melhores do que toda essa sujeirada que está aí, embora mal acostumados (feliz e infelizmente, o ser humano é capaz de acostumar-se e adaptar-se a tudo, até a corrupção e ambição desmedida e desenfreada de seus governantes, passando então a integrá-la). Nós do Temacast esperamos contribuir com o nosso trabalho para a formação e engrandecimento do espírito cívico brasileiro. O que certamente começa por passarmos a limpo a nossa história e nos abrirmos para um amplo e aberto diálogo com toda a sociedade brasileira, onde possamos pôr em cheque nossas crenças e valores (ou a falta deles), para quem sabe então construirmos um futuro melhor do que esse passado que agora pesa sobre os nossos ombros. Afinal, “o futuro não é um lugar para onde estamos indo, mas um lugar que estamos construindo.” Forte abraço em nome da equipe do Temacast!

      • Naelton Araujo

        Alô Jorge. Vc ainda frequenta a PUC? Sou um fã do Temacast e trabalho no Planetário aparece um dia desses pra gente conversar pessoalmente. Sou astronomo e colaboro com o Scicast. um abraço Naelton.

        • Jorge Virgilio

          Tô sim. Qualquer hora apareço por aí (quando a correria na universidade permitir). 🙂

    • Naelton Araujo

      eu tb ouço podcasts caminhando…:-) … Temacast é um deles…

  • Rafael Marques

    Olá pessoal. Outro excelente episódio. Acho que depois desses dois episódios, fica muito difícil defender a ditadura, como algumas pessoas insistem em fazer. Assassinatos, desculpas ridículas, corrupção… É realmente muito complicada a história de nosso país, mais complicado ainda encontrar soluções. Enfim, obrigado pela dedicação de vocês três. Abraços!!

    • Olá Rafael, obrigado a você por nos acompanhar e comentar aqui no site. Quanto ao nosso Brasil, eu tenho esperança de que um dia as coisas acabem indo para os eixos!
      abraço

  • Naelton Araujo

    toda vez que alguém post que quer intervenção militar e que era melhor naquele tempo (q não tinha corrupção etc) eu respondo com links os episódios do Temacast sobre corrupção na ditadura e agora este sobre toda a sujeira oculta neste serviço secreto da ditadura militar… Não sei se as pessoas ouvem… mas não estico conversa: discuto fatos, não opiniões… mais uma vez obrigado pelos excelentes episódios…

  • Renan Lira

    Que episódio espetacular! Parabéns pelo excelente trabalho! Aguardo ansioso pelos episódios prometidos durante a gravação..hehe

    • Obrigado pelo comentário Renan.
      Quanto a tua sugestão, normalmente colocamos no post os filmes e livros que citamos no episódio. As vezes falha hehe
      abração

  • Continuamos aqui ouvindo o Temacast sobre SNI, inacreditável como muitas coisas relatadas, muitos nomes, ainda persistem parasitando em Brasília. A gente não toma jeito mesmo. 🙁

    • Jorge Virgilio

      Pois, é. Esperamos que divulgando mais esses nomes e essas informações a gente comece a renovar a política brasileira.

  • Lucas Moreira

    Olá equipe temacast aqui quem vós fala é Lucas de São Paulo, tenho 20 anos e escuto o programa no trabalho.
    Em relação ao programa posso afirmar que todo o elogio e pouco, meus sinceros agradecimentos.
    Em relação da ditadura no Brasil, como minha idade denúncia, eu não vivi nessa época, o que me deixa no turbilhão de opiniões onde os fatos se perdem em meio aos achismos.
    Venho de família humilde, e todos defendem a experiência militar brasileira, os argumentos são dos mais clássicos, respeito, segurança, trabalho, etc… depois da aula de vocês eu fui a procura de documentos, mal consegui terminar a matéria publicada na revista veja em 79, estou num tremendo reflitão.
    Novamente termino uma saga e estou mudado, tenho plena certeza que nada será como antes.
    Muitíssimo obrigado pela aula, não parem.

    Ps:o link pra matéria da veja (desendo nos porões)
    https://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&rct=j&url=http://www.premiovladimirherzog.org.br/arquivo/01%2520-%2520descendo%2520aos%2520poroes_2009_4_8_16_6_36.pdf&ved=0ahUKEwiCrZzAovHVAhVLlZAKHdNNCc8QFggfMAE&usg=AFQjCNFMGsqpPNPvG7CE3JAWnydscz-UhA

    • Posso imaginar como você se sente… muita gente que vivenciou aquela época defende os militares dizendo que havia ordem, segurança, justiça etc, etc….mas, uma pessoa podia passar de um simples cidadão a um suspeito e ser torturado, sequestrado, e desaparecido…
      Mas, a verdade dos fatos é imutável!!!!
      Seja bem vindo ao mundo real, meu jovem e amigo ouvinte!!!
      Abraço

    • Jorge Virgilio

      Ficamos felizes de poder ter contribuído para divulgar a verdade sobre a ditadura com os vários episódios que fizemos sobre o tema. Infelizmente, a opinião das pessoas que viveram naquela época – em particular daquelas mais pobres (e digo isso vindo de uma família da periferia do Rio) – é bem pouco confiável, via de regra. A ditadura não se importava com elas porque em geral não são politizadas e podiam ser facilmente controladas pela mídia (Jornal Nacional e etc), que só podia divulgar notícias boas. A prova disso é que muitos que defendem a ditadura parecem esquecer que já no governo militar a violência estava fora de controle. Foi nessa época que surgiu o crime organizado no Brasil (Comando Vermelho), numa prisão militar, em Ilha Grande, no litoral sul do Rio. Se você viu o filme Cidade de Deus, o filme começa por volta de 1964 e vai até 1980, quando o Zé Pequeno foi assassinado. Ou seja, o filme inteiro se passa durante a Ditadura, e é na Ditadura que a Cidade de Deus passa de bairro proletário a uma das regiões mais violentas do Brasil (lembrando que o bairro foi planejado e não é uma favela como muita gente acredita). Uma das razões para isso foi que os militares substituíram a Polícia Civil no policiamento de ruas e comunidades pela Polícia Militar, sobre quem eles tinham maior controle. A PM corrompida pelo dinheiro dos traficantes e dos próprios oficiais das Forças Armadas passou a fornecer armamento pesado para os criminosos. O armamento por sua vez era fornecido aos PMs por membros das FAs corruptos (aqui no Rio, nesse período, grande parte desse armamento vinha dos próprios quartéis). Além disso, os oficiais das FAs eram os principais fornecedores de droga para os traficantes nas periferias. Afinal, quem é que guarda a fronteira? Também foi nessa época que o Nordeste mais esteve abandonado pelo governo federal. Era uma forma de atrair mão de obra barata para as mega obras do governo obrigando os nordestinos a emigrar. Nesse gráfico [1], você pode ver que o índice de Gini brasileiro dispara durante a Ditadura (quando maior o índice, pior a desigualdade). Só em 2010, o Brasil voltou até uma desigualdade similar a de 1960. No final do regime militar, havia cerca de 30 milhões de pessoas passando fome no Brasil. Em 1990, o Brasil figurava nesses documentários sobre miséria lado a lado com o Haiti e os piores países do continente africano.

      [1] http://ultimato.com.br/sites/dignidade/files/2014/05/gini.png

      • Lucas Moreira

        Isso realmente é algo que me assusta, a falta de informação ou “fakenews” é um verdadeiro desafio nos dias de hoje, sempre tive minhaa dúvidas em relação a ditadura, pois adoro raul seixas, e já ouvi a mensagem dele, o que aprendi essa semana com vocês foi a técnica de reretirar o lado não ideal da ditadura.

        Agora meu desafio é provar que nazismo não é de direita kkkkkk

TemaCast © 2014-2017
Scroll Up