Salvador de Sá e a Revolta da Cachaça:

Vamos contextualizar a situação política da Capitania Real do Rio de Janeiro no contexto do Império Português, em particular no Sul do Brasil, no período que antecedeu a revolta. A começar pelo seu nome, que diferentemente das demais capitanias da América Portuguesa do mesmo período, carregava o epíteto “real”. Esse título, “capitania real” ou “capitania régia”, era dado aos territórios ultramarinos portugueses que eram tutelados diretamente pela Coroa. As demais capitanias, chamadas de “capitanias donatárias”, eram territórios doados pela Coroa a particulares, que os incorporavam como patrimônio privado.

Inicialmente, o território da Baía do Rio de Janeiro (como era chamada a Baía de Guanabara no Brasil Colônia) havia sido doado a Martim Afonso de Souza, e era a “porção norte” ou “porção setentrional” – ou o “1º lote” da Capitania de São Vicente – e se estendia de Macaé (atual Estado do Rio) até Caraguatatuba (no atual Estado de SP). A parte setentrional (ao norte) e a meridional (ao sul) da Capitania de São Vicente eram separadas uma da outra pela Capitania de Santo Amaro (de Caraguatatuba até Bertioga), cujo donatário era Pero Lopes de Souza, irmão de Martim Afonso de Souza. Como os irmãos Souza foram expulsos nos anos 1530 dessa região pelos tamoios (grupo tupinambá que ocupava a costa brasileira do Cabo Frio até Bertioga), tanto a porção setentrional de São Vicente como Santo Amaro não foram inicialmente ocupadas pelos portugueses…

Saiba mais sobre isso ouvindo Salvador de Sá e a Revolta da Cachaça.


BAIXAR VERSÃO ZIPADA

download versão zipada


PARTICIPANTES

FONTES
  • “Cachaça – Conflito e impasse no Brasil Colonial”, Raphael Ricardo – Artigo
  • “Entre a sombra e o sol”, Antonio Felipe Caetano – Dissertação de Mestrado
  • “Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602-1686”, C. R. Boxer
  • “O Rio de Janeiro no século 17”, Vivaldo Coaracy
  • Outras fontes

VITRINE

MÚSICAS DESTE EPISÓDIO

NOSSA PLAYLIST NO SPOTIFY:

Link


NOSSO GRUPO NO FACEBOOK

Se você quer participar do nosso grupo basta ir AQUI. Participando você poderá sugerir pautas, interagir com outros ouvintes do Temacast, participar de sorteios e saber com antecedência de várias coisas que ocorrerão num futuro breve.

  • Ezequias Campos

    Como eu NUNCA havia falado na história deste cara?
    A revolta da cachaça é meio obvio porque quiseram esquecer dela.
    E claro, depois da república quiseram passar a limpo a história e apagar que a “locomotiva” da economia sempre fora puxada por braços negros. O tráfico negreiro era economicamente importantíssimo, e um interesse regional. O que é terrível de se passar numa aula de história que se busca construir mitos e não estudar o passado… Importantíssimo, contudo, dá peso a nossa história.

    • Pois é Ezequiel… a nossa história nos leva a profundas reflexões sobre o que ocorreu no passado e vivenciamos no presente, não é mesmo?

      Grande abraço

    • Jorge Virgilio

      Incrivelmente o Salvador de Sá é mais conhecido em Angola do que no Brasil. Nem a Marinha se interessou pela história dele embora ele pudesse ser considerado o pai da marinha brasileira.

  • Que legal, muito interessante esse podcast. Como sempre temacast superando as expectativas.

    • Jorge Virgilio

      Obrigado pelos elogios, Felipe. Abraços!

  • Darley Santos

    Cara, outro baita personagem histórico, grande estrategista, realizando seus desígnios apesar das adversidades assim como um rolo compressor nivela um terreno pedregoso, o homem faz e acontece, fiquei estupefato com a narração da sequência de conquistas, ufa! Mas ao mesmo tempo, que fim aflitivo o grande Salvador de Sá teve hein, mostrando como a política frequentemente pode ser uma coisa muito amarga! Não adianta chorar, e sabe-se lá como a História irá lhe conceituar depois, visto que ela é escrita por quem detém as penas… Como sempre, um prazer ouvi-los camaradas!

    • Jorge Virgilio

      Obrigado pelos elogios e pela mensagem. De fato, personagens como Salvador de Sá (o Moço) que apesar da fama e fortuna acabou relegado pela História (principalmente aqui no Brasil, seu país natal) prova que o futuro é sempre incerto.

  • Jorge Virgilio

    ERRATA: Logo no começo do episódio comentamos que o processo de “conversão” das capitanias donatárias em régias se iniciou com a fundação do Rio, mas na realidade ele se iniciou um pouco antes com a fundação de Salvador e a devolução da Bahia a Coroa, após um massacre promovido pelos tupinambás contra os primeiros colonizadores dessa região.

  • Carlos

    Pessoal, programa muito bom. Apesar de estar meio atrasado na programação, estou fazendo uma maratona de Temacast, hehehe.

    E que personagem, hã? Qual seria o real motivo de não estudarmos esses personagens da nossa história, eu posso apenas imaginas.

    Mas tenho uma dúvida: com toda essa fortuna adquirida, imagino que a família de

    Salvador de Sá ainda anda por ai, não é mesmo? Quem seriam eles?

    Abraços.

    • Jorge Virgilio

      Olá, Carlos. Obrigado pela mensagem. De fato, é estranho que mesmo aqui no Rio de Janeiro poucas pessoas conheçam o Salvador de Sá hoje em dia. Os descendentes do Salvador de Sá, de fato, foram muito influentes nos anos seguintes na história do Brasil, em particular do Rio (em mais particularmente ainda em Campos dos Goytacazes). Futuramente, temos planos de mostrar como se desenrolou isso. Em todo caso, se você ouvir o episódio TC#66 Conde de Bobadela, a gente comenta que um dos descendentes do Salvador de Sá são os barões de Itabira-MG e o poeta Carlos Drummond de Andrade.

  • Evaldo Araujo

    Este foi um episódio fabuloso.

    • Jorge Virgilio

      Obrigado, Evaldo!

TemaCast © 2014-2017
Scroll Up